segunda-feira, 15 de maio de 2017

O PADRE MANOEL FIRMINO - Germano









                              O PADRE MANOEL FIRMINO 

Foi um dos padres da paróquia de Mata Grande que deixou o nome na história, tanto pela sua bondade como também pelo seu envolvimento com a política. Dizia a minha mãe Luiza Vilar de Mendonça “que o padre Manoel Firmino gostava tanto de política que ao chegar em Mata Grande se aliou  a família  Malta e depois se tornou um ferrenho adversário, principalmente do então Coronel Zé Malta. O padre foi Deputado Estadual provavelmente antes de ir para a nossa cidade,   falando nele como Padre e prefeito de Mata Grande.
O padre promovia festas noturnas com o intuito de tirar o sossego daqueles que não eram correligionários e não podiam frequentar o ambiente.  
Criava um casal de cachorros  e o  macho ele denominou de “Vosmicê”. Quando alguém perguntava o nome do cão ele respondia Vosmicê e logicamente quem estava presente dava muitas gargalhadas. O padre, brincalhão, também gostava disso e sorria bastante. 

Certo dia de domingo aconteceu justamente com um matuto que, desconfiado das gargalhadas ficou bastante acanhado. Instantes depois passou a cadela e o matuto inocentemente perguntou: Padre aquela é a mãe de vosmicê?

Quando o Coronel Zé Malta voltou ao poder o padre teve que sair de Mata Grande. Contam  que ao sair jogou uma praga no adversário , dizendo que ele tinha que morrer sofrendo muito, que seus descendentes haveriam de brigar entre si até a quinta geração e que a cidade ainda ia ser coberta por melões de São Caetano.”

Segundo me contou o paraibano Antonio Caíca, nascido na cidade  de Santana dos Garrotes, ” o Padre Manoel Firmino,  da carreira que deu de Mata Grande  foi parar na paróquia de  Misericórdia no Estado da Paraíba.  O Padre Manoel Firmino tinha o sangue político correndo em suas veias e chegando em Misericórdia se candidatou a Prefeito e ganhou dos políticos locais que se reuniram e na próxima eleição  retomaram o poder. 

Como o nome Misericórdia era nome da igreja os políticos mudaram o nome para Itaporanga e quem chamasse a cidade de  Misericórdia era preso e levava umas palmadas.
Certo dia um matuto foi se confessar com o Padre e como tinha muitos pecados foi obrigado a rezar ali mesmo, no confessionário , um Pai Nosso , Uma Ave Maria e uma , Salve Rainha. O matuto foi bem, porém na vez da Salve Rainha disse: Salve Rainha Mãe de Itaporanga, vida doçura...”

Algum tempo atrás uma pessoa me perguntou se eu sabia quem tinha colocado o Cruzeiro no Monte Santo, procurei então o amigo de saudosa memória Ciro Bezerra que informou: “ Quem colocou o que está lá, substituindo um que já existia  foi o Padre Manoel Firmino”.




Nenhum comentário:

Postar um comentário