segunda-feira, 2 de novembro de 2015

COISAS DO MEU BRASIL - Germano


COISAS DO MEU BRASIL - Germano

 

Não sou muito adepto a falar de certas coisas, todavia, fiquei indignado com o que o Ministério Público se propõe a realizar: Uma campanha pública contra a corrupção. Pelo que entendi é para a comunidade denunciar.
Ora, existem os vereadores para investigar e denunciar. Cada cidade tem o Promotor Público que, mesmo sem querer,  toma conhecimento  e fica sabendo dos políticos que enriquecem do dia para a noite. O Estado tem o Tribunal de Contas que analisa e aprova as contas. A Receita Federal tem o acompanhamento da evolução patrimonial dos cidadãos, então, por que não cumprem a contento as suas obrigações.
No momento atual, depois de tantas prevaricações, vão querer que o cidadão, arranje encrencas, denunciando uma coisa que não pode provar, já que as  licitações e as prestações de contas são efetivadas e aprovadas pelos  órgãos competentes  e dentro dos parâmetros legais, segundo eles  em suas justificativas.
Os gestores, com raríssimas exceções, vivem reclamando da falta de recursos, então porque não renunciam, quem sabe, poderia assumir o poder,  quem fosse  realmente, dotado de ética e seriedade, pois, pelo que se noticia, o Governo Federal disponibiliza mensalmente recursos suficientes para que se mantenha  uma administração eficiente e elogiável pelas comunidades.
Conforme se lê e se ouve quase que diariamente nos jornais e nas redes de televisão, os casos de corrupção são divulgados pelas ocorrências registradas em quase todos os recantos do País. Muitos  corruptos são apresentados com algemas e presos, todavia, os processos levam anos e anos para os julgamentos, dando margem a que gastem os recursos desviados e retornem a exercer cargos públicos novamente e desta feita, com mais experiência, que são transmitidas para os descendentes e o ciclo vicioso permance.
Particularmente, acho que com as denúncias e reportagens formuladas pelos jornalistas e órgãos de publicidade, não há necessidade de envolver o cidadão comum que, caso denuncie, passa a perder a tranquilidade. Nestes casos, VER, OUVIR e CALAR passa a ser a melhor opção.